Uma Bíblia aberta com um fundo escuroHá princípios financeiros na Palavra de Deus que nos instruem na condução dos nossos assuntos financeiros. Um dos principais temas da Bíblia é a obediência ao Senhor. A prática destes princípios financeiros demonstra que os cristãos estão a confiar em Deus nesta importante área das suas vidas.

Princípio nº 1

TUDO PERTENCE A DEUS

Este princípio fundamental é que Deus é a fonte de tudo. Ele é o dono de tudo. Nós somos apenas gestores! Tudo o que temos e tudo o que somos representam os Seus dons que nos foram confiados.

Este conceito é tão estranho ao nosso pensamento normal que pode parecer limitativo, mas é realmente libertador. A partir do momento em que começamos a possuir a coisa, ela começa a possuir-nos a nós. As nossas posses tendem a possuir-nos! Perdemos a alegria e a sensação de liberdade se assumirmos uma responsabilidade que Deus nunca quis que assumíssemos. Ele possui, nós gerimos.

A minha vida não é minha; é uma dádiva que me foi confiada por Deus. Não preciso de me preocupar com a data do seu fim, porque isso está nas Suas mãos. Posso relaxar e desfrutar dela. A comida de que necessito ser-me-á fornecida. E o abrigo também.

Deus diz: "Prometi-vos que, se procurardes primeiro o meu reino e a minha justiça, isso e tudo o mais vos será concedido". Precisamos de reconhecer que tudo o que somos e tudo o que temos, foi Deus que nos deu.

TUDO o que somos
e TUDO o que temos
pertence a Deus.

Confiar em Deus

Compreender que Deus é dono de tudo e que nós somos gestores dos dons que Ele dá é um princípio fundamental para compreender a nossa relação com Deus e a forma como devemos responder-Lhe. Se não entendermos bem este ponto, o resto não fará sentido!

Princípio n.º 2

DAR É ESSENCIAL

Dar é o resultado da compreensão do que significa viver uma vida de mordomia. É essencial porque implica colocar Deus em primeiro lugar nas nossas vidas.

De que forma podemos pôr Deus em primeiro lugar? Uma forma é passar tempo com Deus - ter um tempo diário de silêncio com Ele. Se isso não acontece nas nossas vidas, significa que alguém ou alguma outra coisa é mais importante do que o Senhor.

Outra forma de colocar Deus em primeiro lugar é confiar que Ele cuidará de nós. Confiar vem antes de dar. Por vezes, é mais fácil confiar em Deus para a nossa salvação eterna do que confiar n'Ele para "nos dar hoje o pão nosso de cada dia". No entanto, os cristãos sabem que, se confiarmos em Deus e vivermos de acordo com a Sua vontade, Ele cuidará de todas as nossas necessidades.

Se confiarmos em Deus, nunca poderemos dizer "não tenho dinheiro para dar". De acordo com Deut. 14:23, um dos objectivos do dízimo era ensinar o povo de Israel a colocar Deus em primeiro lugar nas suas vidas. O dízimo ensina uma confiança em Deus que é fundamental para o nosso relacionamento com Ele.

Confiança
Vem
Antes de dar

Apressar a vida

Parece que estamos sempre a tentar encontrar uma melhor forma de organizar o nosso tempo. O tempo voa! Escapa-nos e passa-nos ao lado. Que verdade para todos nós.

Quando damos por isso, é o fim de um dia, de uma estação ou de um ano, e ainda estamos a planear organizar-nos e aprender a gerir melhor o tempo. A verdadeira questão é se estamos a preencher os nossos dias com coisas que são importantes. Quando foi a última vez que fez um inventário das coisas que lhe ocupam o tempo?

Princípio n.º 3

PERMITIR A MARGEM

Quando vivemos num mundo em que o telefone está sempre a tocar, o telemóvel está sempre connosco, o e-mail tem de ser respondido, há uma miríade de tarefas em casa que têm de ser tratadas e as actividades relacionadas com a escola e a igreja têm de ser frequentadas, torna-se mais difícil reservar tempo para nos renovarmos e recarregarmos. Infelizmente, a maioria de nós toma poucas precauções na vida para se proteger contra os seus próprios horários agitados.

São os recursos internos que temos que se esgotam primeiro quando se trata do casamento, da educação dos filhos, da tomada de decisões e das prioridades da vida. É muito difícil ser uma pessoa interiormente pacífica se não reservarmos para nós próprios pelo menos um pouco de tempo de silêncio todos os dias.

O ponto de partida para esse "tempo de silêncio" é Deus. É Ele que nos dá as nossas direcções. Precisamos de ter tempo para ouvir a voz de Deus. Depois, precisamos de separar as coisas insignificantes e menos importantes que estão a desorganizar as nossas vidas e a roubar o nosso tempo. Precisamos de redefinir as prioridades. A sua agenda do mês passado reflecte as prioridades que considera mais importantes?

O segredo da gestão do tempo não está em aprender a poupar tempo ou a obter mais tempo - o segredo está em saber como o utilizar.

Poupar evita armadilhas

Sabia que a pessoa média no nosso país está a três semanas da falência? Tem pouco ou nenhum dinheiro poupado, obrigações regulares e fixas para sustentar um estilo de vida relativamente "elevado", obrigações mensais de crédito significativas e uma dependência total do salário da próxima semana para manter o orçamento à tona.

Princípio n.º 4

A BÍBLIA APOIA A POUPANÇA

A principal razão pela qual a maioria das pessoas não poupa é o facto de vivermos numa cultura que não pratica a abnegação. Quando queremos algo, queremo-lo já!

No entanto, as Escrituras encorajam-nos a poupar. "O homem sábio poupa para o futuro, mas o homem insensato gasta tudo o que recebe." (Provérbios 21:20 LB) Em contrapartida, a sociedade diz: "Gasta tudo o que ganhas".

A poupança regular permite fazer provisões para o futuro. Constrói uma almofada de segurança financeira para emergências. Uma boa regra geral é poupar o equivalente a dois ou três meses de salário, para o caso de não poder trabalhar devido a doença ou lesão.

Ao poupar, devemos também ter em mente o equilíbrio. Se nos concentrarmos apenas na poupança, a nossa atenção e afecto gravitarão em torno dela. Temos de ter o cuidado de equilibrar a nossa poupança e o nosso investimento, dando generosamente ao Senhor. Quando recebemos um rendimento, o primeiro cheque que passamos deve ser para o Senhor, o segundo para as nossas poupanças.

Lembre-se, a forma mais eficaz de poupar é começar cedo e ser consistente.

Quando recebemos rendimentos,
o primeiro cheque que passamos deve ser para o Senhor,
o segundo cheque para as nossas poupanças.

O buraco negro da dívida

O dicionário define dívida como: "Dinheiro ou bens que uma pessoa é obrigada a pagar a outra."

A perspectiva das Escrituras sobre a dívida é clara. "Assim como o rico domina o pobre, assim também o que toma emprestado é servo do que empresta." Provérbios 22:7.

Princípio n.º 5

NÃO SE ENDIVIDAR

A dívida impõe um custo financeiro e um custo físico.

A família média está a gastar mais do que ganha por ano, a maior parte do qual acaba em dívidas sufocantes de cartões de crédito. No final de 2000, o titular médio de um cartão tinha 8.123 dólares em dívidas de cartões de crédito. (Newsweek- 27 de Agosto de 2001)

As dívidas têm um impacto negativo nas relações. Aumenta o stress, o que contribui para o cansaço mental, físico e emocional. Num inquérito recente a pessoas divorciadas, 80% afirmaram que as finanças eram o principal factor que contribuía para o divórcio. Muitas pessoas aumentam o seu estilo de vida através do endividamento, para depois descobrirem que o peso da dívida controla as suas vidas. O elevado custo das dívidas exige frequentemente empregos adicionais, o que significa mais tempo "no trabalho" e menos tempo com a família.

Se o empréstimo o colocou numa situação de escravidão, há uma maneira de sair: Decida hoje que não vai endividar-se nem mais um dólar. Depois, procure cortar alguma despesa em todas as áreas da sua vida.

Tal como Deus usa o dinheiro para melhorar e dirigir as nossas vidas, Satanás usá-lo-á para nos algemar. Os cristãos devem aprender a reconhecer os perigos da escravidão financeira.

As estatísticas mostram que as pessoas gastam quase um terço mais
quando utilizam cartões de crédito em vez de dinheiro.

Querer o que tem

Uma das nossas tendências mentais mais difundidas e destrutivas é a de nos concentrarmos "no que queremos" em vez de "no que temos". Uma pessoa que pensa que será mais feliz com mais, descobre que quando tem mais, isso não a satisfaz. Querer o que não se tem produz um ciclo interminável de stress indevido nas nossas vidas.

Princípio n.º 6

SEGREDO DO CONTENTAMENTO

"Mas a piedade com contentamento é grande ganho. Porque nada trouxemos para o mundo, e nada podemos levar dele." I Timóteo 6:6-7.

Como é que podemos alcançar a satisfação quando a nossa cultura e tudo o que nos rodeia tende a centrar-se na satisfação imediata. Os publicitários sublinham geralmente a importância de saber como nos sentimos bem, em vez de se preocuparem com a função do produto ou serviço. Esse apelo emocional é tentador. Temos de nos lembrar que um grande ganho não vem necessariamente de ter mais coisas.

O contentamento implica aprender a amar a vontade de Deus, independentemente das circunstâncias. O crente que não está rodeado de tudo o que há de mais moderno não deve sentir-se frustrado por se comparar com os outros. O contentamento não vem das coisas materiais.

Como George Fooshee tão bem afirma no seu livro, You Can Beat the Money Squeeze, "As pessoas compram coisas de que não precisam com dinheiro que não têm para impressionar pessoas de quem nem sequer gostam".

Reconhecer o inimigo. A missão do diabo é desviar-nos do serviço a Cristo, e isso pode passar por plantar sementes de descontentamento.

Uma frase que vale a pena dizer sobre o contentamento:
Usa-o,
gasta-o,
fazer com que sirva,
ou passar sem ele.

A palavra "B

Fazer ou não fazer um orçamento? A palavra "B" evoca frequentemente pensamentos de pressão financeira, mas um orçamento é, de facto, um plano de despesas que serve de base a outros tipos de planeamento nas nossas vidas.

Princípio n.º 7

 Elaborar um orçamento

 "Com a sabedoria se edifica a casa, e com o entendimento ela se firma." Provérbios 24:3

Em espírito de oração, submeter as decisões de despesa ao Senhor. Tudo o que possuímos é propriedade de Deus, e devemos gastar para O agradar e não com um objectivo egoísta.

Quer ganhe $8.000 ou $800.000 por ano, um orçamento ou plano de despesas ajuda-o a tomar melhores decisões financeiras. Permite-lhe manter-se atento aos seus valores e prioridades.

Poderá perguntar: "Se dar é tão "correcto" e produz tanta alegria e bênção, e se poupar é tão sensato e produz uma sensação de bem-estar, porque é que tenho tanta dificuldade em fazê-lo?"

A resposta é: . ... adquirir o hábito de manter registos. Saberá exactamente quanto custa tudo; saberá quais são as suas despesas básicas de vida; saberá quanto custam os luxos adicionais do seu estilo de vida. Isto ajudá-lo-á a desenvolver um plano ou orçamento realista.

Uma vez desenvolvido este hábito de manter registos, encontrará a liberdade que advém de saber que está a viver dentro das suas possibilidades. Muitas vezes, a incapacidade de poupar ou de aumentar as doações deve-se a gastos excessivos causados pelo facto de não se saber para onde vai o dinheiro.

A maior parte de nós aborda as quatro coisas que podemos fazer com o dinheiro por esta ordem - estilo de vida, dívidas, poupanças, dar. Com um plano estabelecido - um orçamento - podemos inverter a ordem, dando primeiro com alegria e deixando que o nosso estilo de vida se siga. Como mordomos cristãos, precisamos de estabelecer o nosso orçamento em função das nossas doações, não do nosso estilo de vida.

Pergunte a si próprio
duas perguntas:

Preciso de o fazer?
Posso pagar?

Não com o seu dinheiro

Por vezes, na cultura actual, é difícil não ter dívidas, quanto mais assumir a dívida de outra pessoa. Quando estamos endividados, estamos numa posição de servidão para com o credor. A perspectiva das Escrituras sobre as dívidas é clara. "Que nenhuma dívida fique pendente" Romanos 13:8 NVI.

Princípio n.º 8

Não seja fiador

A cessão de créditos está directamente relacionada com a assunção de dívidas, na medida em que se torna responsável pela dívida de outrem. "O homem que não tem juízo empenha as mãos em penhor e dá garantias ao seu próximo." Provérbios 17:18.

O que é que está por detrás da assinatura? Essencialmente, o que um mutuante profissional está a dizer é que, depois de analisar o empréstimo, não vê qualquer possibilidade de oferecer um empréstimo a menos que consiga que alguém financeiramente responsável garanta o empréstimo.

As estatísticas alarmantes rodeiam as pessoas que são fiadoras de um empréstimo. Os Ministérios da Coroa informam que um estudo da Comissão Federal de Comércio descobriu que 50% das pessoas que assinaram como fiadores de empréstimos bancários acabaram por efectuar o pagamento. Setenta e cinco por cento dos fiadores de empréstimos de empresas financeiras acabaram por efectuar os pagamentos! As estatísticas provam que a taxa de sinistralidade é elevada.

Se for fiador, o credor pode cobrar-lhe a dívida sem primeiro tentar cobrá-la ao mutuário. Se não estiver em condições de a pagar, pode ser processado e/ou a sua notação de crédito pode ser afectada.

Temos de compreender as verdadeiras implicações da co-signação e a dívida que estamos a assumir com esta acção. Como cristãos, devemos ajudar os nossos amigos e familiares a compreenderem a posição em que nos estão a colocar ao pedirem-nos para sermos fiadores.

Se um mutuante não assume o risco, deve fazê-lo você?

Quem é o meu verdadeiro patrão?

As Escrituras explicam-no: "Tudo o que a tua mão encontrar para fazer, faze-o com todas as tuas forças". Eclesiastes 9:10. O Senhor espera que façamos o melhor que pudermos. Há valor no trabalho.

Princípio n.º 9

Trabalhar arduamente

O nosso verdadeiro patrão é o Senhor, e Ele agrada-Se do trabalho árduo em busca da excelência. O nosso trabalho nunca deve estar a um nível que as pessoas equiparem à mediocridade. O nosso trabalho é um reflexo da nossa relação espiritual com o Senhor.

Isto não significa que temos de ser perfeitos e nunca cometer erros no nosso trabalho. O Senhor espera que façamos o melhor que pudermos, usando os dons, competências e capacidades que Ele nos deu de forma única.

O nosso trabalho é uma dádiva. Destina-se a desenvolver o carácter. Um emprego não é apenas um meio de ganhar dinheiro, mas destina-se também a produzir um carácter piedoso na vida do trabalhador... quer sejamos médicos, donas de casa, secretárias, vendedores, gestores ou operários.

No entanto, por muito importante que seja trabalhar árdua e diligentemente naquilo que fazemos, também é necessário haver equilíbrio. Algumas pessoas trabalham tanto que negligenciam os outros aspectos da sua vida. Se os nossos empregos exigem tanto do nosso tempo e energia que negligenciamos a nossa relação com Cristo e/ou a nossa família, então estamos a trabalhar demasiado. Estamos a esquecer-nos da importância do equilíbrio nas nossas vidas.

Os "workaholics" devem tomar precauções para não sacrificar o que é realmente importante. O dom do trabalho é apenas um dos muitos dons que Deus nos concedeu!

A pergunta mais importante que temos de fazer todos os dias quando começamos o nosso trabalho é:

Para quem é que eu trabalho? A resposta é: trabalho para Cristo.

Uma palavra para os sábios

"Ocaminho do tolo é reto aos seus próprios olhos, mas o homem sábio é aquele que dá ouvidos ao conselho." Provérbios 12:15

Princípio n.º 10

Procurar conselhos divinos

Algumas decisões merecem mais atenção do que outras devido à sua importância e implicações a longo prazo. Antes de comprar uma casa, comprar um carro ou considerar qualquer outra decisão financeira importante, devemos orar sobre o assunto e procurar aconselhamento.

Onde é que devemos procurar aconselhamento? Sabemos que a Bíblia é a palavra viva de Deus, através da qual Ele comunica as Suas orientações e verdades a todas as gerações. É por isso que ela deve ser o primeiro filtro no processo de tomada de uma decisão financeira. Como diz o salmista, "Os teus estatutos são o meu prazer; são os meus conselheiros. (Salmo 119:24)

Se formos casados, o nosso cônjuge deve ser a nossa principal fonte de aconselhamento humano. Procurar o conselho de um cônjuge ajuda a preservar a nossa relação. Independentemente das consequências de uma decisão, se a tivermos tomado em conjunto, é mais provável que o nosso casamento se mantenha saudável.

Os pais são uma segunda fonte de aconselhamento. Conhecem-nos muito bem e, normalmente, têm o benefício de muitos mais anos de experiência para partilhar.

Finalmente, um amigo cristão próximo em quem confiamos e respeitamos e que demonstre sabedoria é uma boa fonte de aconselhamento. Preocupado com o nosso bem-estar, ele far-nos-á as perguntas "certas".

É importante que não deixemos que o orgulho seja um impedimento para procurar aconselhamento. Cada um de nós precisa de um conselho sábio de vez em quando. É uma grande fonte de força no processo, por vezes difícil, de tomada de decisões.

Se não tiveres alguém que te aconselhe, tenta cultivar uma amizade com pelo menos uma pessoa piedosa que te possa aconselhar quando necessário.